Benfica 3-2 FC Porto

Óscar Cardozo acende Luz para a final

Avançado paraguaio marcou o golo que afastou o FC Porto da final da Taça da Liga.

oscar cardozo

O SL Benfica venceu o FC Porto por 3-2 no Estádio da Luz e apurou-se pelo quarto ano consecutivo para a final da Taça da Liga. Os dragões chegaram a estar na frente do marcador mas Nolito e Òscar Cardozo deram a primeira vitória sobre o FC Porto esta época.

Com várias alterações em ambas equipas, o SL Benfica entrou no relvado da Luz com mais titulares do que o FC Porto. Vítor Pereira apostou em Alex Sandro no lado esquerdo da defesa portista e em Mangala ao lado de Rolando. Jorge Jesus deu a titularidade a Capdevila e manteve o tridente do meio campo constituído pelos titulares Javi Garcia, Axel Witsel e Aimar.

A equipa da Luz entrou melhor no jogo e logo na primeira ocasião inaugurou o marcador por Maxi Pereira. Numa jogada construída entre Witsel, Bruno César e Maxi, o lateral direito uruguaio irrompeu pela defesa portista para bater Bracalli aos 3’ minutos.

O FC Porto respondeu à altura cinco minutos depois do golo inaugural. Hulk embala no lado direito aproveitando a falta de velocidade de Capdevila e serve Lucho depois de passar por Jardel. O argentino remata fraco e faz o 1-1 com a bola a desviar nas costas de Javi Garcia e a trair Eduardo.

O golo do empate serviu de gatilho para que a equipa de Vítor Pereira subisse no terreno e fizesse mais pressão nos homens do meio campo encarnado. Aos 9’ minutos, Alvaro Pereira teve o golo nos pés mas o uruguaio atirou por cima.

A equipa portista dominava na Luz e aos 16’ minutos colocou-se em vantagem com golo de Mangala. Livre de João Moutinho na direita para o coração da área encarnada e o defesa central francês aproveitou a passividade dos centrais brasileiros encarnados para colocar a bola por entre as pernas de Eduardo.

Javi Garcia mostrava muitas dificuldades em gerir as operações no meio campo e não conseguia dar apoio a Maxi Pereira. O corredor esquerdo do FC Porto aproveitou para criar muito perigo à defesa encarnada faltando a Kleber algum discernimento na zona de remate.

A 15 minutos do fim da primeira parte, o FC Porto dominava o jogo faltando à equipa de Jorge Jesus profundidade no terreno. Pablo Aimar pedia para que a defesa encarnada subisse no terreno e Nolito praticamente não participava nas movimentações defensivas.

Aos 33’ minutos, Luisão acerta duas vezes no ferro no mesmo lance. Aimar cobra um para o cabeceamento à barra do central que, no seguimento do mesmo lance, remata forte com Bracalli a desviar para o poste. E como não há duas sem três, Aimar, aos 36’ minutos, num livre direto, leva pela terceira vez a bola ao ferro. Na Luz suspirava-se pelo golo do empate enquanto a claque do FC Porto fazia a festa na caixa de segurança. 

O SL Benfica regressava a jogo perto do fim da primeira parte e acabou por ser recompensado pela insistência. Javi aparece ao segundo poste a receber a bola de um livre de Aimar e cruza para Nolito que coloca a bola na baliza com o peito.

O jogo foi para intervalo com o resultado em 2-2, com a equipa encarnada a levar vantagem em número de remates à baliza 11-9.

Na segunda parte, o FC Porto respondeu ao domínio encarnado verificado no final do primeiro tempo e procurou desde logo voltar a assumir a vantagem no marcador. Hulk voltou a ser um terror cada vez que pisava o terreno defensivo encarnado e num grande passe aos 46’ minutos desmarcou Lucho que não conseguiu rematar em condições.

Aos 49’ minutos, Jardel perde a bola em zona proibida mas Kleber perde a oportunidade de golo ao tentar ultrapassar o defesa encarnado.

Jorge Jesus lança Gaitan aos 65’ minutos e tira Bruno César. O FC Porto continuava por cima do SL Benfica e nas vezes que Aimar conseguia ter bola, esta não chegava em condições a Nelson Oliveira. O técnico encarnado decide lançar Cardozo aos 63’ minutos e Vítor Pereira responde no mesmo minuto com a aposta em James Rodriguez para a saída de Lucho González.

Com o jogo a aproximar-se do fim com a possibilidade de penaltis, os técnicos resolveram colocar em jogo as suas armas secretas. Primeiro, entrou Janko para o lugar de Kleber. Jesus apostou em Saviola e tirou Aimar.

Com o Estádio da Luz em ebulição, as bancadas pareciam adivinhar o golo encarnado. Aos 78’ minutos, Óscar Cardozo consegue fugir à defesa portista e isolado frente a Bracalli fuzila o guardião brasileiro com o pé esquerdo para o 3-2.

Em vantagem no marcador, a equipa do SL Benfica soube controlar os ímpetos do FC Porto em recuperar a bola. Os encarnados detinham mais posse de bola (53%) do que o FC Porto (47%) quando o relógio marcava os 90’ minutos. 

Já com Iturbe em campo, o FC Porto jogou no meio campo encarnado durante os descontos para tentar levar o jogo para as grandes penalidades mas a vitória não fugiu ao SL Benfica.


© ÓrbitanewsSport 2011