Bruno Paixão

Mais um jogo estragado por Bruno Paixão 


Árbitro "desequilibrou" mais uma partida da I Liga, num livro que já tem muitas páginas. Desta vez foi o Sporting a ser prejudicado.

gilv spo

Jorge Sousa era o árbitro nomeado para o Gil Vicente-Sporting, jogo que encerrou a 23ª jornada do campeonato. No entanto, foi substituido, por estar doente. Foi Bruno Paixão a rendê-lo. Por isso, as probabilidades de termos um jogo estragado eram elevadas. O que infelizmente veio a confirmar-se.

Bruno Paixão é um péssimo árbitro. Todos os que acompanham o futebol sabem isso. O grande mistério é como continua o juiz de Setúbal, ano após ano, a apitar na I Liga. Por que será?

Desta vez, foi o Sporting a ser prejudicado. Nomeadamente, num dos lances mais inacreditáveis que se viram esta época. Bruno Paixão deve ter sido o único a ver que uma mão (clara) na bola de Schaars foi dentro da área, quando o holandês estava bem fora... Rui Patrício defendeu o remate de Cláudio, mas na sequência do lance, Bruno Paixão marcou novo penálti por mão na bola, de João Pereira. Dessa vez parece ter acertado.

Mas infelizmente, o penálti fantasma de Schaars não foi o único erro de Bruno Paixão, que acumulou um chorrilho de asneiras na segunda parte.

O que é certo é que o Sporting está em quinto lugar e viu fugir o Marítimo na quarta posição. Os madeirenses têm um ponto de avanço. O último triunfo fora dos lisboetas foi a 8 de fevereiro, com o Nacional, em jogo da Taça de Portugal. Mas a última vitória fora no campeonato foi a...30 de Outubro e em terreno neutro (Aveiro, diante do Feirense).

Hugo Vieira sempre em grande

O jogo começou com o Gil Vicente em bom plano. Como seria de esperar, os defesas do Sporting tinham muitas dificuldades para travar Hugo Vieira, o jogador que não pertence aos quatro grandes mais entusiasmante desta Liga. Mas foi Rodrigo Galo a inaugurar o marcador aos 14 minutos, num grande remate de fora da área, ao ângulo, sem grandes hipótese de defesa para Rui Patrício.

Era um jogo sem grandes ocasiões de perigo junto das duas balizas (tirando o lance do golo...) e o Sporting só assustou Adriano aos 22´num bom remate de Schaars. Com Matías e Izmailov "ausentes" e sem as habituais "correrias" de Capel, o futebol dos leões baseava-se no "chutão" para a frente dos centrais Polga e Xandão.

O Sporting melhorou muito nos últimos 15 minutos do primeiro tempo e criou duas ocasiões de perigo. Aos 37' Insúa obrigou Adriano a boa defesa, na marcação de um livre e aos 41' Van Wolfswinkel trabalhou bem na área mas o seu remate saiu muito por cima. Nesta fase, já com Matías Fernández ao seu nível habitual. No entanto, fazia falta um melhor Izmailov.

Ao intervalo, o resultado era claramente lisonjeiro para um Gil Vicente que se limitou a defender desde os 15 minutos, depois de uma bela entrada em jogo.

Ora aí está Paixão!

Para a segunda parte, Sá Pinto fez duas substituições, arriscando em busca do golo do empate. Sairam Polga e Matías, entrando Jeffren e André Martins. Os visitantes reentraram bem, mas o inefável Bruno Paixão entrou em ação aos 53 minutos, marcando um penálti inacreditável a Schaars, por mão na bola, bem...fora da área.

Rui Patrício defendeu o penálti de Cláudido, mas na sequência do lance, Bruno Paixão marcou nova mão na bola de um jogador do Sporting na área. Desta vez,  a João Pereira. Foi um bom teste ao visível "controlo emocional" que Sá Pinto tem mostrado nas suas funções como treinador dos leões. E mais uma vez, passou com distinção. Na sequência do lance, Cláudio marcou.

O Sporting apresentava uma tática estranha, com Elias a...central. O que torna lógica a pergunta: vale a pena tirar um central, para depois recuar um médio da posição onde mais rende para a defesa?

Os leões continuaram a dominar, mas tudo ficou mais complicado para eles aos 69' com a expulsão de Schaars. O segundo cartão amarelo para o holandês foi justo, mas entradas bem mais duras tinham passado sem punição.

A jogar com mais um homem, o Gil Vicente cresceu, sempre com o fantástico Hugo Vieira a dar cabo da cabeça dos defesas visitantes. O 3-0 esteve perto de acontecer em várias ocasiões.

Após o apito final, foi ver Sá Pinto fazer um 'sprint' rapidíssimo para dentro de campo. Calma! Foi na direção do árbitro, mas para impedir que os seus jogadores chegassem perto dele... Como está diferente o (agora) técnico dos leões.


Declarações de Carlos Freitas, diretor desportivo do Sporting, depois da derrota por 2-0 diante do Gil Vicente:

"Fica uma sensação desde a primeira jornada: o Sporting tem sido sistematicamente prejudicado pelos árbitros internacionais deste país. Foi Xistra na primeira jornada, Pedro Proença, na terceira, com o Marítimo, Bruno Paixão em Guimarães... Agora, neste jogo com o Gil Vicente foi o caso mais escandaloso.

É altura de Vítor Pereira [presidente da Comissão de Arbitragem] explicar o que se passou nos testes físicos do Luso. O que foi feito por esta classe corporativa, que não tem dimensão para pôr em causa a história de um clube centenário.

O que se passou neste jogo foi demasiado vergonhoso. E recordo que este árbitro também beneficiou o Gil Vicente no jogo com o FC Porto. Recordo ainda que em 2003/04 tirou a Champions ao Sporting, ao entreter-se a expulsar dois jogos num jogo decisivo com o Boavista. Este ano em Guimarães houve a expulsão de Rinaudo... Enfim, só não dá vontade de rir porque estamos falar coisas muito sérias.

O que se passou nestes 93 minutos foram penáltis marcados que não eram, penáltis que eram que não foram marcados e uma dualidade gritante na amostragem de cartões.

A única forma de isto melhorar, é alguns intervenientes serem banidos. Este é um deles! Sete pontos tirados ao Sporting nas três primeiras jornadas marcam claramente esta temporada. O que se passou hoje não foi inclinar o campo, foi resolver o jogo".


© ÓrbitanewsSport 2011