Africa Eco Race

Elisabete Jacinto termina em quarto na geral


elisabete jacinto-2

A piloto portuguesa Elisabete Jacinto, aos comandos de um MAN TGS, terminou hoje o rali África Eco Race 2012 na segunda posição da classificação dos camiões e na quarta da geral.


Elisabete Jacinto concluiu o África Eco Race com o seu melhor resultado de sempre na classificação geral, muito perto do pódio absoluto e com um saldo de cinco vitórias em oito etapas.

«Estou muito satisfeita com tudo o que consegui alcançar neste África Eco Race no plano desportivo e acima de tudo por a equipa ter mostrado que atingiu um excelente patamar competitivo», disse Elisabete Jacinto à chegada a Nouakchott, capital da Mauritânia.

A experiente piloto lusa acrescentou que tanto na navegação, como na condução e na mecânica, a equipa esteve muito bem e só resta agora rever alguns aspetos, perfeitamente identificados, para poder ambicionar ir mais longe.

Elisabete Jacinto, acompanhada dos portugueses José Marques e Marco Cochinho, só foi batida na classificação dos camiões pelo checo Tomas Tomecek, em Tatra, segundo da geral, logo atrás do francês Jean Louis Schlesser, num protótipo Schlesser, que venceu a competição.

Na etapa em que foi o primeiro concorrente auto/camião a partir para a pista, depois da notável vitória absoluta conquistada na especial anterior, Elisabete Jacinto voltou a ser vítima de uma zona de areia muito mole onde o seu MAN TGS se enterrou e do qual demorou quase uma hora a sair.

Mesmo assim, a classificação geral não se alterou já que a piloto recuperou parte do tempo perdido até ao final da etapa, que contava com algumas pistas bastante rápidas onde Elisabete Jacinto já mostrou estar particularmente à vontade.

A caravana do África Eco Race segue para Kebemar, já no Senegal, onde está instalado o derradeiro acampamento da prova.

No domingo, terá lugar a ligação para Dakar e uma especial cronometrada em volta do mítico Lac Rose (23 km), que já não conta para a classificação final da prova, mas que permite a participação de todos aqueles que, por algum motivo, foram forçados a abandonar a corrida, mas ainda têm as suas máquinas operacionais.


© ÓrbitanewsSport 2011